Prefeitura seta Gestão Pública
Semge abre debate sobre combate ao preconceito institucional criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
25-Jul-2019
evento_homofobia

evento_homofobia3
 
evento_homofobia1
Discutir as contribuições positivas da diversidade de gênero e étnico-racial nas organizações foi o tema do seminário, realizado no último dia 17 de julho, pela Secretaria Municipal de Gestão (Semge), em parceria com a Secretaria Municipal da Reparação (Semur) e a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, Infância e Juventude (Spmj). O evento destinado aos servidores da prefeitura, que aconteceu no auditório da Faculdade Social da Bahia (FSBA), foi ministrado pelo coordenador de Captação de Ideias e de Projetos, Walter Pinto Júnior, e abordou conceitos básicos sobre raça e gênero, formas de tratamento e atendimento adequado no âmbito do município, além das estratégias de enfrentamento ao racismo, ao sexismo e a LGBTfobia.

A ação, que integra uma programação para a formação de servidores, ofertará também uma capacitação para instrutores internos das unidades municipais com objetivo de inserir as temáticas étnico-racial e de gênero nos conteúdos programáticos de todas as formações da prefeitura do eixo comportamental. O treinamento está previsto para acontecer em agosto.

Ainda falando sobre combate ao preconceito institucional, a Semge deu início a implementação do Programa de Combate à LGBTfobia Institucional. O evento foi realizado no auditório da unidade na sexta (19), com a presença da secretária da Reparação, Ivete Sacramento, que apresentou a iniciativa que estabelece uma meta de sensibilização de, no mínimo, 30% de servidores, prevista no Planejamento Estratégico 2017-2020. O evento contou ainda com a palestra do coordenador do Centro de Referência LGBT, Vida Bruno.

A exemplo do recém criado Programa de Combate à LGBTfobia, a Semge integra o Comitê de Combate ao Racismo Institucional, responsável pela implementação e acompanhamento das ações do Programa de Combate ao Racismo Institucional (PCRI). Segundo o secretário de gestão, Thiago Dantas, passa a ser uma obrigação da administração municipal, além do combate ao racismo e à LGBTfobia, garantir o pleno exercício das liberdades individuais de cada servidor municipal e prestar um serviço adequado, de excelência e sem discriminação a partir do gênero e da raça.












 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >